segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Pa pa pa pa pa poker face papapa poker face, ámen






Estamos no século XXI e todas as coisas inúteis e sem valor aparecem especialmente nesta era. 
A coisa mais bonitinha que ouvi falar recentemente foram as religiões. Não as religiões que estamos habituados a ouvir mas sim aquelas que envolvem os nossos cantores favoritos. Expressões como "I belive in Michael Jackson" ou "Eu sou politeísta! Acredito em todos os elementos do 30 seconds To Mars" ou até mesmo "Antes de dormir rezo sempre o Poker Face" podem ser ouvidas em qualquer parte do mundo desenvolvido, inclusive aqui, onde todas as miúdas de 10 anos ficam todas de joelhos sempre que o "Baby" dá na radio.
Se por acaso me perguntassem "Oh Marte, tu acreditas em quem?" e a minha avó estivesse na mesma sala à espera que eu respondesse, a resposta era óbvia "Estou lá todos os domingos para ouvir o que o menino Jesus tem a dizer". Mas se estivesse a pensar pela minha própria cabeça (e se a avó não estivesse lá) eu diria que adoro explorar o que cada religião tem a dar mas não estaria ser sincera o suficiente porque eu não chegava a fazer 5 orações como os muçulmanos fazem ou mesmo comer os restos mortais dos meus parentes como fazem nas civilizações no meio da Amazónia. Não seria capaz. Talvez seja pela minha visão muito ocidental, mas o que ela me ensinou foi que as coisas sem sentido devem ter um limite e não há coisa mais estúpida que andar com a foto do Michael Jackson colada a um crucifixo (já visto).

1 comentário:

  1. "In" ou felizmente (estou na dúvida e se calhar vou morrer com ela) não sei em que acreditar.
    Mas digo que é assunto que me preocupo, verdade, sei que nunca acharei resposta para as minhas perguntas e por isso tento achar algumas possíveis sempre auxiliado pela maior inimiga da igreja... A CIÊNCIA!!!
    Mas isto é conversa para durar 300 anos, no mínimo, ou será que 2000 anos se reduzem a uns meros dias ou anos?

    Como diria o meu caro amigo o Sr. Fernando Pessa

    E esta, heim...?

    Beijinhos

    O Empregado do Mês

    ResponderEliminar